Graduação - Enfermagem

Atualizado em 16/06/2018

COORDENAÇÃO

Coordenadora: Profª Roberta da Silva Nascimento Pereira

Coodenador Adjunto: Prof.Janimar da Cruz Kiffer

 

INVESTIMENTO

Valor Integral: R$ 808,01

Valor com 10% de desconto até a data de vencimento: R$ 727,20

 

ATOS LEGAIS DE AUTORIZAÇÃO

Foi credenciada pela Portaria MEC nº 62 de 22 de janeiro de 2010, publicado no D.O.U de 26 de janeiro de 2010.

 

NÚMERO DE VAGAS

60 vagas anuais

 

PERIODICIDADE DE ENTRADA

Semestral

 

DURAÇÃO

4 anos

 

SOBRE O CURSO

Ao se pensar na possibilidade de instalação de um curso de enfermagem na FAMESCBJI duas questões estavam presentes: (a) qual a relevância científica que terá? e (b) qual a relevância social?

A reflexão que se processou exigiu a contextualização do curso. O que lhe dá uma favorável densidade de intercâmbio com profissionais de outras áreas do conhecimento e permite repensar procedimentos técnicas e a própria ação profissional. 

O curso está sendo proposto para a cidade de Bom Jesus do Itabapoana, onde a mesma possui alta concentração de atendimentos à saúde, principalmente atendimento médico. A cidade é referência para a região e as prefeituras próximas, mantém forte intercâmbio de atendimento à saúde com Bom Jesus do Itabapoana, uma vez que há um hospital de referência. 

Há que se destacar que o número de médicos na região é superior ao número de enfermeiros com nível superior e o Curso de Enfermagem da FAMESCBJI vem suprir uma carência tanto no sentido de oferecer profissionais ao mercado, de melhorar o atendimento à população, como também ampliar e desenvolver procedimentos, técnicas, teorias na enfermagem, além de estudar as patologias regionais e buscar estratégias eficazes para a solução dos problemas de saúdedos pacientes.
 
É importante ressaltar que,  a descentralização das ações de saúde no Brasil, promovida nos últimos anos, requer para a sua consolidação, mudanças expressivas no modelo atual de atenção à saúde, em que ainda predominam os serviços de assistência individual e biomédica centrados nos hospitais. Além disso, a prática do trabalho isolado de cada modalidade de profissional da área da saúde tem gerado altos custos e dificuldades no atendimento às necessidades do paciente, do seu núcleo familiar e da comunidade.
A organização de equipes multiprofissionais capacitadas para o diagnóstico, aptas para a execução das ações de intervenção nas áreas de prevenção da doença, promoção e recuperação da saúde em todos os níveis, com o objetivo de buscar a melhoria da qualidade da vida da população, tem sido uma estratégia utilizada por vários países como alternativa para solucionar esta questão.

Em consonância com essa perspectiva,  a participação do Enfermeiro nas equipes é essencial não somente para o desenvolvimento das atividades assistenciais, como também para a implementação de medidas de prevenção e de educação das pessoas e da coletividade.

Nesse contexto de múltiplas exigências para o trabalho da Enfermagem como um todo, o que se coloca para  o Enfermeiro é a necessidade de reorientação da sua prática e do seu papel técnico-social, mediante o domínio dos fundamentos técnicos, científicos e sociais inerentes ao exercício de cuidar das pessoas.

Partindo do princípio de que as transformações do processo de trabalho em saúde podem ser impulsionadas pelo processo de formação dos profissionais, o Curso de Enfermagem da FAMESCBJI se propõe a colaborar para o aperfeiçoamento dos serviços de Enfermagem da região, que ainda não contam com a participação integral do Enfermeiro, conforme  preconizado pelo Decreto 94.406/87 e pela Resolução COFEN-146/92, constituindo-se, portanto, em uma oportunidade real para que auxiliares e técnicos de enfermagem possam prosseguir seus em nível superior, ao mesmo tempo em que amplia as opções dos egressos do ensino médio por uma profissão.

Ainda, em consonância com a atual Política Nacional de Saúde, há que se delinear a formação de um profissional de Enfermagem, cuja ênfase seja para a Saúde Pública, enquanto modalidade de trabalho voltada para o atendimento global, contínuo e centrado na família e na comunidade.

O que se pretende é que, pela formação superior, os Enfermeiros se capacitem para dar respostas às demandas e necessidades prementes da população, em consonância com os princípios da faculdade, equanimidade, hierarquização, integralidade e resolutividade das ações de saúde em todos os níveis de assistência.
 

Objetivos do Curso:

Os objetivos gerais do curso oferecido pela FAMESCBJI são o alto desempenho de seus egressos e melhoramento da sociedade através da competência de seu corpo docente e funcionários; comprometimento com a realidade social do meio em que está inserida; estabelecimento de relações de parcerias que promoverão interações comunitárias e servirão para contribuir com sugestões.

Tem como principais finalidades:

  • Promover o debate e a pesquisa filosófica, científica, tecnológica e artística;
  • Formar pessoas qualificadas para o exercício das profissões liberais, técnico-científicas, acadêmicas, para cultura e arte;
  • Contribuir para a elaboração da cultura e sua transmissão, procurando valorizar seus conteúdos à luz da realidade social;
  • Incentivar o diálogo interdisciplinar, a integração entre os diversos ramos do saber, a reflexão crítica sobre os problemas e as relações humanas, a investigação da verdade;
  • Editar revistas e criar meios de divulgação e conscientização entre os alunos e a sociedade;
  • Cooperar com entidades públicas e privadas, nacionais, na realização e divulgação de pesquisas, na elaboração de projetos e na prestação de serviços;
  • Contribuir para o bem da comunidade regional, nos campos social, cultural e assistencial;
  • Captar, gerir e aplicar recursos destinados à educação;
  • Estender à comunidade local e regional, sob forma de cursos e/ou serviços, as suas atividades de ensino e os resultados das pesquisas realizadas;
  • Divulgar trabalhos produzidos pelo Corpo Técnico-Docente e pelo Discente, ou por outros vinculados aos campos de sua atuação;
  • Proporcionar ao Corpo Discente oportunidades de participação em programas de desenvolvimento comunitário e regional, e favorecer-lhe meios para a realização de atividades de capacitação e atualização técnica;
  • Manter intercâmbio de informações e de pessoal com instituições congêneres nacionais;
  • Estabelecer planos, programas e projetos de pesquisa científica, produção artística e atividades de extensão;


PERFIL DO EGRESSO:

Uma das marcas da contemporaneidade é a necessária construção de práticas que busquem a formalização da linguagem sobre várias possibilidades de se interpretar o real. Buscar o sentido das coisas e da própria vida, bem como parte da busca da interpretação do conhecimento chamado científico, são pontos importantíssimos para a formação do profissional do terceiro milênio.

O conhecimento é fundamental para a sobrevivência do homem, que precisa exercer uma atividade para garantir sua existência e agir sobre o mundo exterior, associando-se a outros homens para que, por meio da ação, mantenha sua vida, ou seja, aprender a conviver, aprender a realizar e aprender a ser. 

Porém, para o exercício dessa atividade, o profissional de hoje não pode simplesmente executá-la de forma mecânica. Se isso ocorrer, certamente o seu cargo será substituído por outro profissional. E esse ato se torna ainda mais sério quando falamos da área da saúde, onde se espera desse profissional uma visão  e uma prática holística para com o  seu  paciente, podendo, dessa forma,  ajudá-lo na causa de sua doença e não limitando a doença em si. É preciso que o futuro profissional da saúde tenha competência técnica, mas também competências política e ética. Que não seja apenas instrumentalizado para o exercício de sua profissão, mas que também atinja  a sua emancipação,  habilitando-o para tomar decisões e soluções frente aos problemas que se colocam.

Para que essa prática holística ocorra, o profissional de enfermagem deve saber confrontar-se com a realidade na qual irá atuar, tendo autonomia para tomar decisões com sabedoria, competência, criatividade, e, principalmente inovação.
Nessa perspectiva, a atividade profissional é decorrente de uma ação natural do indivíduo. Legitima-se pelo seu efeito prático: gerar um resultado útil à vida e a satisfazer uma necessidade. Surge, portanto, a necessidade de autonomia para organizar os dados que são obtidos pelo indivíduo, por esse novo profissional através de sua cultura, que é apropriado pelo conhecimento e por sua atividade prática. Daí a necessidade de se aprender e sempre. Podendo, a partir disso, dizer que toda aprendizagem possui um conteúdo social. Esse conhecimento se dá pelo ato da educação, que é a apropriação do desenvolvimento da história, fruto da cultura material e espiritual:

As aquisições do desenvolvimento histórico e das aptidões humanas não são simplesmente dadas aos homens nos fenômenos objetivos da cultura material e espiritual que os encarnam, mas são aí apenas postas. Para se apropriar destes resultados, para fazer deles as suas aptidões, “ os órgãos da sua individualidade” , (...) o ser humano, deve entrar em relação com os fenômenos do mundo circundante através doutros homens, isto é, num processo de comunicação com eles. Assim,(...), [o indivíduo], aprende a atividade adequada. Pela sua função, este processo , é, portanto, um processo de educação. 

Esse conhecimento, gerador da atividade prática, deve ser fruto de um aprendizado que se pode trabalhar em sala de aula e fora dela, valorizando a cultura geral e local, contribuindo dessa forma, para a formação de um profissional  atualizado. 

Para que isso ocorra, a escola, a sociedade de forma geral, devem repensar seus papéis, frente a essas novas possibilidades que hoje compõem o mundo do conhecimento e da cultura. Os novos hábitos culturais, as novas formas de relação social, exigem uma prática pedagógica que se integrem às estratégias cognitivas e emocionais dos novos profissionais gerados no mundo da mídia digital, das redes, da realidade virtual, das imagens, visando neles, a formação de profissionais generalistas. 

Portanto, ao privilegiar a formação do enfermeiro generalista, crítico e reflexivo, o Curso de Enfermagem da FAMESCBJI propõe-se a desenvolver no aluno capacidades para:

  • compreender a natureza humana em suas diferentes expressões e fases evolutivas;

  • incorporar  a  ciência/arte  do  cuidar  como  instrumento  de   interpretação  e   de  intervenção profissional;

  • estabelecer novas relações com o contexto social, reconhecendo a estrutura e as formas de organização social, suas transformações e expressões;

  • exercer sua atividade profissional de acordo com os códigos éticos, políticos e normativos;

  • interferir na dinâmica de trabalho institucional, reconhecendo-se como agente desse processo;

  • participar dos movimentos de qualificação das práticas de saúde;

  • reconhecer as relações de trabalho e sua influência na saúde;

  • reconhecer-se como sujeito no processo de formação de recursos humanos;

  • dar respostas às especificidades regionais de saúde através de intervenções planejadas estrategicamente;

  • comprometer-se com os investimentos voltados para a solução de problemas sociais;

  • integrar-se a seu grupo profissional;

  • assumir responsabilidades na coordenação do trabalho da equipe de enfermagem;

  • realizar, participar e utilizar pesquisas e outras produções de conhecimento, tendo em vista a qualificação da prática profissional a partir da capacitação e atualização permanentes.

Para formar o profissional aqui almejado, o FAMESCBJI sabe que é preciso refletir sobre o humano , ou seja,  refletir sobre a vida, principalmente nessa nova configuração de mundo. Não é possível formar profissionais apenas técnicos, “desconectados” do humano. É necessário repensar o sujeito, a comunidade, a educação. Pois, se a formação profissional der condições para que o futuro profissional construa o seu próprio conhecimento, pode lhe dar condições para resgatar, primeiramente, a própria dignidade cidadã, refletindo, sem dúvida alguma, na qualidade de seu trabalho.